quinta-feira, 17 de julho de 2008

cadernos de viagem

distrito do tabuleiro, conceição do mato dentro, MG
14 de julho de 2008

De todas as descobertas de ontem, duas me ficaram mais marcantes na memória. A primeira, no Poço do Pari, quando eu, deitada nas pedras, me senti conectada a todos os pequenos pedaços de coisas que formam o mundo. Naquele momento eu era toda a existência em um só ponto e pude de maneira extrema sentir a misteriosa presença do Divino. Foi algo mágico e impossível de se descrever propriamente. As folhas das árvores dançavam acompanhadas pelas formas das pedras e pelos movimentos das águas. Naquele momento, eu mesma era as árvores, as pedras e as águas, todas unificadas dentro do meu fogo interior. Chorei pois podia me sentir e me via dentro de todos os lugares. Estava em paz pois sabia da verdade inegável da solidão que me povoa mas podia compartilhar com todas as formas a mesma solidão irrefutável. Todos, tudo estava só, mas tudo se cabia perfeitamente dentro de cada parte mínima. E naquele momento eu me coube em mim e sorri com lágrimas nos olhos.

Um comentário:

Cilibrino disse...

Nossa TT, vc conseguiu! Sabia que tem gente que vive a vida inteira e não consegue perceber essa conexão? Nunca? Isso é uma grande merda, por que as pessoas estão tão conectadas no seu pequeno mundo robótico, com seus afazeres sempre mecânicos, que se elas soubessem fazer parte de todo o universo, a vida delas mudaria para sempre. Fico feliz de saber que vc tenha participado dessa experiência mística e única na sua vida. Essa é a primeira visão, ainda existem outras 9. Se quiser saber mais, assista ou leia a Profecia Celestina. Vc vai entender tudo! [:)] Um beijo minha irmãzinha querida, fica com Deus, e volte logo para conversarmos!